A voz como lugar de encontro e inclusão nas artes performativas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34629/rcdmt.vol.1.n.1.pp76-86

Palavras-chave:

Voz, Vocalidade, Feminismo, Inclusão, Teatro, Pesquisa vocal

Resumo

Neste artigo é abordado o carácter único e relacional da voz, trazido por Adriana Cavarero, mas também o poder inclusivo e feminista da pesquisa vocal em contraponto a uma abordagem logocentrica e melocentrica que, maioritariamente é dada à vocalidade. Como uma "sobra" ou um excesso decorrente de um discurso, a voz é ignorada teoricamente e até artisticamente, mesmo por autores mais disruptivos como Judith Butler. No entanto, criadores/vocalistas/pensadores como Cathy Berberian, Antonin Artaud, Meredith Monk, Fatima Miranda, Roy Hart, Diamanda Galàs, Laurie Anderson dão-nos pistas inspiradoras de como a voz pode romper os paradigmas instituídos.

Biografia Autor

Sara Belo, Escola Superior de Teatro e Cinema, Instituto Politécnico de Lisboa

É actriz, cantora, professora de voz e experimentalista vocal. É doutorada em Artes pela Universidade de Lisboa com a tese “A Voz como impulsionador da criação cénica — a Pré-voz como alicerce de um Teatro Vocal”. É também licenciada em Teatro (actores) pela Escola Superior de Teatro e Cinema onde é professora de voz desde 2004. Frequentou o curso de Canto do Conservatório Nacional e terminou o mestrado em Estudos de Teatro da Faculdade de Letras, cuja tese incidiu sobre a voz do actor. Actriz e cantora de vários tipos de música (ópera, jazz, pop) trabalhou com os encenadores João Brites (Teatro O Bando), João Mota (Teatro da Comuna), João Lourenço (Teatro Aberto), Carlos Pessoa (Teatro da Garagem), Cláudio Hochman (Teatro da Trindade) e com os compositores/maestros Eurico Carrapatoso, João Paulo Santos, Carlos Marecos, Eduardo Paes Mamede. Tem tido uma colaboração frequente com os compositores Jorge Salgueiro, tendo participado em diversas obras/ óperas suas tais como Quixote, Saga, Salto, Quarentena, Almenara e com Daniel Schvetz com quem gravou um CD Canção de Vidro lançado em Bruxelas em Setembro de 2017. Como experimentalista vocal realizou diversos trabalhos nomeadamente no duo aCorda com Rizumik (prémio Jovens Criadores 2008 pelo CPAI) e a sua primeira criação em 2014 — MAGMA, solo vocal — no Teatro Meridional.

Referências

Artaud, Antonin. 1996. O Teatro e o seu Duplo. Tradução Fiama Hasse Pais Brandão. Lisboa: Fenda.

Belo, Sara. 2020. “A Voz como Impulsionador da Criação Cénica: a Pré-Voz como Alicerce de um Teatro Vocal”. Tese de Doutoramento, Universidade de Lisboa.

Butler, Judith. 2017. Problemas de Género: Feminismo e Subversão da Identidade. Tradução Nuno Quintas. Lisboa: Orfeu Negro.

Cavarero, Adriana. 2000. Relating Narratives: Storytelling and Selfhood (Warwick Studies in European Philosophy). Tradução Paul A. Kottman. London, New York: Routledge.

_________. 2011. Vozes Plurais: Filosofia da Expressão Vocal. Tradução Flavio Terrigno Barbeitas. Belo Horizonte: Editora UFMG.

CRUMP, Melanie Austin. 2008. “When Words Are Not Enough: Tracing the Development of Extended Vocal Techniques in Twentieth-Century America”. PhD Diss., University of North Carolina. Acedido Abril, 1, 2022. https://libres.uncg.edu/ir/uncg/f/umi-uncg-1555.pdf.

Dolar, Mladen. 2006. A Voice and Nothing More. Massachusetts: MIT Press.

Karantonis, Pamela, et al. 2014. Cathy Berberian: Pioneer of Contemporary Vocality. London: Ashgate.

McClary, Susan. 2002. Feminine Endings: Music, Gender and Sexuality. Minneapolis, London: University of Minnesota Press.

Pardo, Enrique. 2003. “Figuring Out the Voice: Object, Subject, Project: Performing Strategies in the Use of Extended Voice Range Techniques in Relation to Language and Texts”. Performance Research 8 (1): 41-50. https://doi.org/10.1080/13528165.2003.10871908.

Schlichter, Annette. 2011. “Do Voices Matter? Vocality, Materiality, Gender Performativity”. Body and Society 17: 31-52. https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/1357034X10394669.

Downloads

Publicado

2022-07-25

Como Citar

Belo, S. (2022). A voz como lugar de encontro e inclusão nas artes performativas. RHINOCERVS: Cinema, Dança, Música, Teatro, 1(1), 76–86. https://doi.org/10.34629/rcdmt.vol.1.n.1.pp76-86

Edição

Secção

Artigos