Publicidade e análise de tendências

práticas, experiências e possibilidade no contexto de Pandemia de COVID-19

Autores

  • Alessandro Mateus Felippe Departamento de Comunicação e Artes, Universidade Federal de Mato Grosso, Brasil https://orcid.org/0000-0001-6856-3991
  • Cristóvão Domingos Almeida Departamento de Comunicação e Artes, Universidade Federal de Mato Grosso, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.34629/cpublica.341

Palavras-chave:

análise de tendências, estratégias comunicacionais, agência de publicidade

Resumo

Este texto apresenta o momento de tradução de tendências por uma agência de publicidade home office no início da pandemia de COVID-19, instando qualificações inovadoras nas estratégias comunicacionais de seus respectivos clientes. A partir da Análise Qualitativa de Dados, da abordagem da Grounded Theory e da metodologia de Revisão Bibliográfica, mapeou-se dez tendências socioculturais por meio de relatórios de tendências externos à organização; posteriormente, realizou-se a reflexão em conjunto com os integrantes da agência acerca das mesmas, compreendendo influências e possíveis cenários de atuação; por fim, elaborou-se produção de conteúdo acerca do processo para melhor difusão dos resultados, entendido aqui enquanto corpus de análise. À guisa de conclusão, sublinha-se que o processo ocorreu de forma assertiva, inovadora e colaborativa, corroborando com o alinhamento de estratégias comunicacionais para o período; também, o processo alinha-se à metodologia de análise de tendências proposta por Dragt (2017).

Biografias Autor

Alessandro Mateus Felippe, Departamento de Comunicação e Artes, Universidade Federal de Mato Grosso, Brasil

Psicanalista em formação [CETEP/Florianópolis/SC], Mestre em Design de Vestuário e Moda [UDESC/SC], Especialista em Startup, Inovação e Empreendedorismo [UNINTER/SC], Graduado em Publicidade e Propaganda [UNIPAMPA/RS]. Professor Substituto do Bacharel em Publicidade e Propaganda [UFMT/MT] em 2020/2 e 2021/1. Sócio-fundador da Fio.Propaganda. Integrante dos projetos de pesquisa “O que ensina a publicidade? Possibilidades e desafios na apropriação crítica e criativa do texto publicitário” [UFMT/MT] e “Laboratório de investigação em Imagem (Lii): o estado da arte de pesquisas contemporâneas” [UFSM/RS]. Suas pesquisas versam sobre análise de tendências, zeitgeist, gestão visual, consumo e estratégias digitais de branding.

Cristóvão Domingos Almeida, Departamento de Comunicação e Artes, Universidade Federal de Mato Grosso, Brasil

Pós-doutor em Comunicação e Práticas de Consumo (ESPM), doutor em Comunicação e Informação, mestre em Educação e graduado em Relações Públicas. Professor do PPG em Comunicação, do PPG em Estudos de Cultura Contemporânea e do curso de Publicidade e Propaganda na Universidade Federal de Mato Grosso. Autor do livro Haitianos no Brasil: comunicação, consumo e trabalho (Paulus, 2017).

Referências

Balonas, S. (2020). Crise e transformação – um ensaio sobre os catalisadores da mudança. In M. Oliveira, H. Machado, J. Sarmento & M. C. Ribeiro (eds.), Sociedade e crise(s) (pp.103-107). UMinho Editora. https://ebooks.uminho.pt/index.php/uminho/catalog/view/21/48/581-1

Bandeira-De-Mello, R. C. (2006). Grounded theory. In C. Godoi, R. Bandeira-De-Mello & A. Silva, Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: Paradigmas, estratégias e métodos. Editora Saraiva.

Bauman, Z. (2001). Modernidade líquida. Editora Zahar.

Buck, A., Herrmann, C. & Lubkovitz, D. (2019). Diretrizes para a gestão de tendências: Inovação e estética como fundamento para o sucesso profissional. PUCPRESS.

Campos, A. Q. & Wolf, B. (julho-dezembro de 2018). O Conceito de tendência na moda: Significado, histórico, conotação. ModaPalavra e-Periódico. 6(11), 11-30. Dossiê Estudos de Tendências e Branding de Moda.

Citelli, A. (março de 2005). Mudanças na linguagem publicitária. Comunicação, Mídias e Consumo, 2(3), 155-162.

Corbin, J. M. & Strauss, A. L. (2015). Basics of Qualitative Research: Grounded Theory procedures and techniques (4.ª ed). Sage.

Corrêa, R. (2004). Planejamento de propaganda (9.ª ed. revista e ampl.). Global.

Dragt, E. (2017). How to research trends: Move beyong trend watching to kickstart innovation. BIS Publishers.

Erner, G. (2015). Sociologia das Tendências. Editora G. Gili.

Felippe, A. M. & Cezar, L. T. (2020). Framework de gestão de agência de publicidade e propaganda: Um estudo de caso da Fio da Meada. Comunicação, media e indústrias criativas na era digital (1.ª ed.)., 1, 159-176.

Felippe, A. M., Rech, S. R. & Seibel, S. (2020). Trend research & artificial intelligence: The case of the company Coleção.Moda. e-Revista LOGO, 9, 22-40.

Felippe, A. (16 de novembro de 2021). Mapeamento de tendências a partir de sinais portadores de futuro. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, 13(1).

Florida, R. (2002). The rise of the creative class. Basic Books.

Gabriel, M. (2020). Marketing na era digital: Conceitos, plataformas e estratégias. Atlas.

Gil, A. C. (2017). Como elaborar projetos de pesquisa (6.ª ed.). Atlas.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social (5.ª ed.). Atlas.

Glaser, B. G. & Strauss, A. L. (2017). The discovery of grounded theory: Strategies for qualitative Research. Routledge Taylor & Francis Group.

Gomes, N. P. (2019). Gestão da cultura: Estratégias e articulações no âmbito do branding e das tribos urbanas. e-Revista LOGO, 8(2).

Kotler, F. & Armstrong, G. (2007). Princípios de marketing (12.ª ed.). Person Prentice Hall.

Kotler, P. (2000). Administração de marketing: A edição do novo milênio. Prentice Hall.

Richers, R. (2000). Marketing: Uma visão brasileira. Negócio.

Lupetti, M. (2003). Administração em publicidade: A verdadeira alma do negócio (2.ª ed.). Pioneira Thomson Learning.

Manual de Oslo. (2006). Diretrizes para a coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica (3.ª ed.). FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos).

Manzini, E. (2008). Design para inovação social e sustentabilidade: Comunidades criativas,

organizações colaborativas e novas redes projetuais. E-papers.

Marconi, M. de A. & Lakatos, E. M. (2017). Fundamentos de metodologia científica (8.ª ed.). Atlas.

Morace, F. (2018). Consumo autoral: Os novos núcleos geracionais (4.ª ed.). Estação das Letras e Cores Editora.

Morin, E. (1977). Cultura de massas no século XX: O espírito do tempo. Forense-Universitária.

Osterwalder, A. & Pigneur, Y. (2011). Business model generation: Inovação em modelos de negócios. Atlas Books.

Raymond, M. (2010). Tendencias: Que son, como identificarlas, en qué fijarnos, cómo leerlas. Promopress.

Rech, S. R. (julho-dezembro de 2013). Estudos do futuro & moda: Uma abordagem conceitual. ModaPalavra e-Periódico, 6(11), 93-100.

Rech, S. R. & Gomes, N. P. (2016). Anatomia das tendências e o desenvolvimento de produtos de moda. 12.° Colóquio de Moda, 9.ª Edição Internacional, 3.° Congresso de Iniciação Científica em Design de Moda.

Rech, S. R. & Silveira, I. (2017). Abordagem terminológica dos estudos de tendências. 13.° Colóquio de Moda, UNESP Bauru, São Paulo. https://www.academia.edu/35337128/ABORDAGEM_TERMINOL%C3%93GICA_DOS_ESTUDOS_DE_TEND%C3%8ANCIAS

Santos, J. (2017). Sobre tendências e o espírito do tempo. Estação das Letras e Cores Editora.

Silveira, I. (2018). Procedimentos metodológicos de pesquisa: Ciência e conhecimento. Florianópolis. (Apostila do Programa de Pós-Graduação em Moda, Mestrado Profissional em Design de Vestuário e Moda, PPGModa/UDESC).

Soneira, A. J. (2007). La “Teoria fundamentada em los datos” (Grounded Theory) de Glaser y Strauss. In I. Gialdino (coord.), Estrategias de investigación cualitativa. Gedisa Editoral.

Strauss, A. (1987). Qualitative analysis for social scientists. Cambridge University Press.

Tarozzi, M. (2011). O que é grounded theory: Metodologia de pesquisa e de teoria

fundamentada nos dados (C. Lussi, Trad.). Vozes.

Stumpf, I. R. C. (2010). Pesquisa bibliográfica. In J. Duarte & A. Barros (Orgs.), Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação (2.ª ed.). Atlas.

Vejlgaard, H. (2013). Style Eruptions: How 6 differents groups of trendsettersmake trends happen. Confetti Publishing.

Veríssimo, J. (2021). A publicidade e os cânones retóricos: Da estratégia à criatividade. LabCom. https://labcom.ubi.pt/ficheiros/202104011410-202101_pubcanonesreto__ricos_jverissimo.pdf

Vidal Auladell, F. (2016). La actividad publicitaria: entre el simulacro y la utopía. Universitas Humanística, 81, 149-176. https://doi.org/10.11144/Javeriana.uh81.apsu

Vieira, S. (1995). Raciocínio criativo na publicidade. Edições Loyola.

Webb, A. (2016). The Signals are Talking: why today’s fringe is tomorrow’s mainstream. PublicAffairs.

Downloads

Publicado

2022-06-30

Como Citar

Felippe, A. M., & Domingos Almeida, C. (2022). Publicidade e análise de tendências : práticas, experiências e possibilidade no contexto de Pandemia de COVID-19. Comunicação Pública, 17(32). https://doi.org/10.34629/cpublica.341

Edição

Secção

DOSSIÊ TEMÁTICO Publicidade: novos formatos, novos conteúdos