Comunicação pública da ciência no Facebook

as estratégias de uma universidade brasileira em contexto pandêmico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34629/cpublica.241

Palavras-chave:

redes sociais virtuais, visibilidade midiática, covid-19, fake news

Resumo

A proposta deste artigo consiste em mapear as estratégias de comunicação empreendidas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, uma instituição pública de ensino superior brasileira, no Facebook durante os três primeiros meses da pandemia do novo coronavírus, de março a maio de 2020. A metodologia empregada foi a análise de conteúdo, que permitiu a classificação das postagens em categorias, na tentativa de compreender e explicar a relação entre os fenômenos da comunicação em rede e da responsabilidade de organizações que produzem ciência e que fazem frente à desinformação. estão na frente do combate à desinformação.

Biografias Autor

Carla Montuori , Universidade Paulista (Unip)

Doutora em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Docente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação (PPGCOM) da Universidade Paulista (Unip).

Pedro Farnese, Universidade Paulista - UNIP

Doutorando em Comunicação e Culturas Mídiáticas, com bolsa Capes, na Universidade Paulista (Unip). Jornalista efetivo do Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais - Campus Juiz de Fora.

Referências

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Edições 70.

Bolter, J. & Grusin, R. (2000). Remediation: Understanding new media. The MIT Press.

Botei, M. (2017). Mis information with fake news. Transilvania University of Brasov. Series VII, Social Sciences Law, 10(2), 133-140.

Bourdieu, P. (1989). O poder simbólico. Bertrand.

Brüggemann, M., Lörcher, I. & Walter, S. (2020). Post-normal science communication: Exploring the blurring boundaries of science and journalism. Journal of Science Communication, 19(3), 1-22.

Bueno, W. (2010). Comunicação científica e divulgação científica: Aproximações e rupturas conceituais. Revista Informação & Informação, 15(1). https://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/6585/6761

De Grandi, M. & Flores, N. (2020). Estratégias de engajamento de pesquisadores nas mídias sociais do periódico ciência rural. Revista do Edicc, 6(1), 311-322.

Duarte, J. (2003). Instituições científicas: Da divulgação à comunicação. Revista Universitas/Comunicação, 1(1), 47-53.

Duarte, J. (2007). Comunicação pública – estado, mercado, sociedade e interesse público. Atlas.

ERC (2019). A Desinformação—Contexto Europeu e Nacional. https://www.parlamento.pt/Documents/2019/abril/desinformacao_contextoeuroeunacional-ERC-abril2019.pdf

Gomes, V. B. (2021). Analogias populistas na narrativa presidencial: Contrapontos à ciência na Pandemia da COVID-19 [tese de doutoramento não publicada]. Universidade Paulista.

Jaramillo, J. C. (2003). Experiencia de la comunicación pública. La Iniciativa de Comunicación. https://www.comminit.com/la/content/experiencia-de-la-comunicaci%C3%B3n-p%C3%BAblica

Marchiori, M. (2008). Cultura e comunicação organizacional: Um olhar sobre a organização. Difusão.

Mintz, A. P. (2002). Web of deception: Mis informationon the Internet. Information Today.

Opas. (2020). Entenda a infodemia e a desinformação na luta contra a COVID-19. https://iris.paho.org/handle/10665.2/52054

Pessoa, S. (2003). Comunicação empresarial, uma ferramenta. Bibliotecas On-line de Ciências da Comunicação. http://www.bocc.ubi.pt/pag/pessoa-sonia-comunicacao-empresarial-estrategica.pdf

UNESCO. (2020). Startling digital divides in distancelearning emerge. UNESCO. https://en.unesco.org/news/startling-digital-divides-distance-learning-emerge

Valente, J. C. L. (2019). Regulando desinformação e fake news: Um panorama internacional das respostas ao problema. Comunicação Pública, 14(7). https://journals.openedition.org/cp/5262?lang=es

Downloads

Publicado

2022-06-30

Como Citar

Fernandes, C. . M. ., & Farnese, P. . (2022). Comunicação pública da ciência no Facebook: as estratégias de uma universidade brasileira em contexto pandêmico. Comunicação Pública, 17(32). https://doi.org/10.34629/cpublica.241