A comunicação interna em contextos organizacionais e a criação de cenas de dissenso

Autores

  • Ângela Marques Professora do Departamento de Comunicação Social e do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
  • Rennan Mafra Professor do Departamento de Comunicação Social e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Viçosa (UFV)

DOI:

https://doi.org/10.4000/cp.2940

Palavras-chave:

comunicação interna, comunicação organizacional, resistência, experiência, cena de dissenso

Resumo

Neste texto, argumentamos que a perspectiva crítica da comunicação organizacional é fundamental e promissora para entender as interações e tensões de poder no ambiente organizacional interno e na sua relação com a sociedade. Nossa visão destaca a complexa teia de relacionamentos e passagens entre relações individuais, coletivas, intersubjetivas e o contexto cultural em que elas se desenvolvem, no equilíbrio entre arranjos e desarranjos estratégicos das lógicas e racionalidades que definem episódios interacionais de resistência. Refletimos acerca de como os significados construídos nas interações organizacionais são sempre políticos e criados a partir de relações de poder suficientemente porosas para a insurgência de infrapolíticas de contestação em cenas de dissenso. Assim, a comunicação interna pode tanto ser um mecanismo de controle e manutenção de interesses dominantes, quanto forma de reconfigurar e ressignificar espaços, temporalidades e códigos em práticas plurais de resistência e insistência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografias Autor

Ângela Marques, Professora do Departamento de Comunicação Social e do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Pós-doutora em Ciências da Comunicação pela Université Stendhal, Grenobel III

Rennan Mafra, Professor do Departamento de Comunicação Social e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Viçosa (UFV)

Mestre e Doutor em Comunicação pela UFMG

Referências

Agamben, G. (2009). O que é o contemporâneo? e outros ensaios. Chapecó/SC: Argos.

Baker, W. and Dutton, J. (2005). “Enabling Positive Social Capital in Organizations”, in Dutton, J. and Ragins, B. (Eds.). Exploring Positive Relationships at Work: Building a Theoretical and Research Foundation. Lawrence Erlbaum, Inc, pp.44-63.

Baldissera, R. (2007). “Tensões dialógico-recursivas entre a comunicação e a identidade organizacional”, Organicom, nº 7, pp. 229-243. DOI : 10.11606/issn.2238-2593.organicom.2007.138954

Baldissera, R. (2008). “Comunicação organizacional: uma reflexão possível a partir do paradigma da complexidade”, in Oliveira, I. and Soares, A. (Eds.). Interfaces e Tendências da comunicação no contexto das organizações. São Paulo: Difusão, pp.149-177.

Braga, J. L. (2016). “Aprender Metodologia ensinando Pesquisa: incidências mútuas entre Metodologia Pedagógica e Metodologia Científica”, in Vassallo de Lopes, M. I.; Peixoto de Moura, C. (Eds..). Pesquisa em Comunicação - Metodologias e Práticas Acadêmicas. 1ed.Porto Alegre, RS: EDIPUCRS, v. 1, pp. 77-98.

Certeau, M. de. (1994). A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis, RJ: Vozes.

Deetz, S. (2010). “Comunicação Organizacional: fundamentos e desafios”, in Marchiori, M. (Ed.). Comunicação e Organização: reflexões, processos e práticas. São Caetano do Sul: Difusão, pp.83-101.

Deleuze, G. (1990). “O que é um dispositivo?”, in: Deleuze, G. Michel Foucault, filósofo. Tradução de Wanderson Flor do Nascimento, Barcelona: Gedisa, pp. 155-161.

Dewey, J. (1980). “Tendo uma experiência”, in Leme, M. O. R. P.(Ed.). Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1980, p. 89-105.

Fairhurst, G. and Putnam, L. (2004). “Organizations as Discursive Constructions”, Communication Theory, 2004, v.14, n.1, pp. 5-26. DOI : 10.1111/j.1468-2885.2004.tb00301.x

Fairhurst, G. and Putnam, L. (2015). “Revisiting Organizations as Discursive Constructions: 10 years later”, Communication Theory, v. 25, n.1, pp. 375-392.

Fairhurst, G. & Putnam, L. (2014). “Organizational discourse analysis”, in Putnam L. and Mumby, D. (Eds.), The SAGE handbook of organizational communication: Advances in theory, research, and methods, 3rd ed., Thousand Oaks, CA: Sage, pp. 271-295.

Foucault, M. (1996). Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (1999). A ordem do discurso. 5ª ed. São Paulo: Loyola.

Freitas, S. G. (2008). “Comunicação interna e o diálogo nas organizações”, in Kunsch, M. (Ed.). Gestão estratégica em Comunicação organizacional e relações públicas. São Paulo: Difusão, pp. 139-153.

Gauny, G.(1983). “Le travail à la tâche”, in Rancière, J. (Ed.). Le philosophe plébéien. Paris: La Découverte/Maspero; Saint-Denis: PUV, pp. 44-49.

Guedes, E. N. (2008a) “Já não bastam mídias, campanhas e eventos: a comunicação interna precisa construir sentido”, in ANAIS do Congresso da Abrapcorp, pp.1-18.

Guedes, E. N. (2008b) “A comunicação interna como reflexo dos valores contemporâneos”, Anuário Unesco/Metodista de Comunicação Regional, v.12 n.12, pp. 43-54. DOI : 10.15603/2176-0934/aum.v12n12p43-54

Lima, F. (2008). “Possíveis contribuições do paradigma relacional para o estudo da comunicação no contexto organizacional”, in Oliveira, I. L. de; PAULA, C. F. C de (Eds.). Interfaces e tendências da comunicação no contexto das organizações. São Paulo, Ed. Difusão, 2008, pp. 109-127.

Kunsch, M. M. K. (2009). “Percursos paradigmáticos e avanços epistemológicos nos estudos da comunicação organizacional”, in Kunsch, M. (Ed.) Comunicação organizacional vol 1 . São Paulo: Saraiva, pp. 63-89.

Matos, H. (2009). Capital Social e Comunicação: interfaces e articulações. São Paulo: Summus.

Marchiori, M. (2008). “Comunicação interna: um fator estratégico no sucesso dos negócios”, in: Marchiori, M. (Ed.). Faces da cultura e da comunicação organizacional. São Paulo: Difusão, pp. 207-224.

Marchiori, M. (2008). “Os Desafios da Comunicação Interna nas Organizações”, in ANAIS do XXXI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação (Intercom), realizado em Natal, RN, de 2 a 6 de setembro.

Marques, A. C. S. (2010). “Complexidade”, in Marques de Melo, J.; Hohlfeldt, A; Moreira, S. V.; Barbosa, M. (Eds.). Enciclopédia Intercom de Comunicação: volume 1: conceitos. São Paulo: Intercom, p. 232-233.

Marques, A. C. S & Oliveira, L. de. (2012). “Poder e resistência: breve reflexão teórica sobre o papel do humor nos conflitos público-privados em contextos organizacionais”, Ciberlegenda (On-line), v. 1, pp. 99-110.

Marques, A. C. S. & Mafra, R. (2013). “Diálogo no contexto organizacional e lugares de estratégia, argumentação e resistência”, Organicom (USP), v. 10, pp. 72-84. DOI : 10.11606/issn.2238-2593.organicom.2013.139193

Marques, A. C. S. & Mafra, R. L. M. (2014). “O diálogo, o acontecimento e a criação de cenas de dissenso em contextos organizacionais”, Dispositiva, v.2, n.2, pp. 2-20. DOI : 10.5752/P.2237-9967.2013v2n2p2-20

Mafra, R. L. M. & Marques, A. C. S. (2015). “Diálogo e organizações: cenas de dissenso e públicos como acontecimento”, in Marques, A. & Oliveira, I. de L. (Eds.). Comunicação Organizacional: dimensões epistemológicas e discursivas. Belo Horizonte: Fafich/ UFMG, pp.185-193.

Marques, A. C. S.; Mafra, R. L. M; Martino, L. M. (2017). “Um outro olhar sobre a comunicação pública: a constituição discursiva de sujeitos políticos no âmbito das organizações”, Dispositiva, v.6, n.9, pp. 76-92. DOI : 10.5752/P.2237-9967.2017v6n9p76

Mumby, D.(2005). “Theorizing resistance in organization studies: a dialectical approach”, Management Communication Quarterly, v. 19, n. 1, pp. 19-44. DOI : 10.1177/0893318905276558

Mumby, D. (2009). “A comunicação organizacional em uma perspectiva crítica”, Organicom, n.10-11, pp.191-207. DOI : 10.11606/issn.2238-2593.organicom.2009.139023

Mumby, D.(2010). “Reflexões críticas sobre comunicação nas organizações”, in Kunsch, M. (Ed.). A comunicação como fator de humanização das organizações. São Paulo: Difusão, pp.19-39.

Mumby, D.; Thomas, R.; Martí, I.; Seidl, D. (2017). “Resistance redux”, Organization Studies, v.13, n.4, pp.1-27.

Oliveira, I. (2009). “Espaços dialógicos e relacionais nas organizações e sua natureza ético-política”, in: Kunsch, M. M. K. (Ed.). Comunicação organizacional vol.2, São Paulo, Saraiva, pp. 321-332.

Oliveira, I. de L. & Paula, M. A. (2012). “Processos e Estratégias de Comunicação no contexto das organizações”, in Oliveira, I & Lima, F. (Eds.). Propostas conceituais para a comunicação no contexto organizacional. São Caetano do Sul, SP: Difusão Editora; Rio de Janeiro: Editora Senac-Rio, pp.24-38.

Oliveira, L.& Marques, A. (2013). “Entrecruzamentos de práticas de resistência e discursos de humor nos conflitos entre público e privado em contextos organizacionais”, in Oliveira, I. (Ed.). Comunicação, discurso, organizações.1 ed. São Caetano do Sul (SP): Difusão, v.1, pp. 179-194.

Rancière, J. (1988). A Noite dos Proletários. São Paulo: Companhia das Letras.

Rancière, J. (1994). Os Nomes da História. São Paulo: EDUC/Pontes.

Rancière, J. (1995). La Mésentente– politique et philosophie. Paris: Galilée.

Rancière, J. (2000a). Le Partage du Sensible: esthétique et politique. Paris: La Fabrique éditions.

Rancière, J. (2000b). “Dissenting words: a conversation with Jacques Rancière, by Davide Panagia”, Diacritics, v.30, n.2, pp.113-126.

Rancière, J. (2002). O mestre ignorante. Belo Horizonte: Autêntica.

Rancière, J. (2005). Sobre políticas e estéticas. Barcelona: Museu d’Art Contemporania de Barcelona, 2005.

Rancière, J. (2007). « L’ordre de la cité », in Rancière, J. Le philosophe et ses pauvres. Paris: Flammarion, pp. 17-52.

Rancière, J. (2012). O espectador emancipado. São Paulo: WMF Martins Fontes. DOI : 10.5965/1414573102152010107

Rancière, J. (2018). La méthode de la scène. Entretien avec Adnen Jdey. Paris: Lignes.

Ricœur, P. (2005). Parcours de la reconnaissance. Trois études. Paris: Gallimard.

Rebechi, C. (2008). “Pistas para o entendimento da construção do conceito de comunicação interna no campo de estudo brasileiros de comunicação organizacional”, in ANAIS do Congresso da Abrapcorp,.

Valle, G. M. V.; Amâncio, R.; Láurea, M. C. P. (2006). “Capital social e suas implicações para o estudo das organizações”, Revista Organizações & Sociedade, vol. 13, n. 36.

Downloads

Publicado

2021-10-08

Como Citar

Marques, Ângela, & Mafra, R. (2021). A comunicação interna em contextos organizacionais e a criação de cenas de dissenso. Comunicação Pública, 13(25). https://doi.org/10.4000/cp.2940