Podcast y el territorio de la accesibilidad cultural: reflexiones desde el escenario brasileño

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34629/cpublica.53

Palavras-chave:

accesibilidad, podcast, lenguaje radiofónico

Resumo

El presente trabajo tiene como objectivo reflexionar sobre las posibilidades de hacer accesibles los contenidos de podcasts a un público sensorialmente diverso, especialmente a la comunidad de sordos y ciegos. Como ejes de articulación teórica, coteja el campo de estudio de la accesibilidad cultural y el marco regulatorio de la materia, con un abordaje de las características y funciones del lenguaje radiofónico, señalando la contextualización de alternativas de accesibilidad para la “podósfera”. Metodológicamente, utiliza como recursos la revisión de la literatura y las entrevistas comprensivas sobre el tema de la accesibilidad cultural. Como resultado, enfatiza que los podcasts son formas de expresión del lenguaje radiofónico que pueden y deben hacerse accesibles, presentando estrategias que contribuyan a este proceso, tales como, transcripciones, subtítulos descriptivos y creativos, audiodescripción, ventana de lengua de señas brasileña, uso de enlaces y hashtags, y textos alternativos

Biografia Autor

Elton Bruno Pinheiro, Universidade de Brasília

Profesor Adjunto de la Facultad de Comunicación de la Universidad de Brasilia (UnB). Doctor en Comunicación y Sociedad (PPGCom/UnB). Miembro de los grupos de investigación “Observatório da Radiodifusão Pública na América Latina” (UnB/CNPq), “Acesso Livre” (UnB/CNPq) e “Laboratório de Políticas de Comunicação – LaPCom” (UnB/CNPq). Líder del “Núcleo de Estudos, Produção e Inovação em Linguagem Sonora – NEPLIS” vinculado al Laboratorio de Audio de la UnB.

Referências

Associação Brasileira de Podcasters. (2019). PodPesquisa 2019. https://abpod.org/podpesquisa-2019/

Agência Brasil. (2019, 13 de octubre). País tem 10,7 milhões de pessoas com deficiência auditiva, diz estudo. https://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2019-10/brasil-tem-107-milhoes-de-deficientes-auditivos-diz-estudo

Alcuri, G., Lugon, J., Carvalho, L. & Zôrzo, N. (2012). Relatório MacBride – História, importância e desafios. Simulação das Nações Unidas para Secundaristas-SINUS.

Alves, W. (2005). A cozinha eletrônica. In E. Meditsch (Org.), Teorias do Rádio – texto e contextos (Vol. 1). Insular.

Alves, S. & Teixeira, C. (2015). Audiodescrição para pessoas com deficiência visual: princípios sociais, técnicos e estéticos. In C. Santos, C. Bessa & F. Lamberti (Orgs.). Tradução em Contextos Especializados. Editora Verdana.

Alves, S., Santiago Vigata, H. & Texeira, C. (2018). A pesquisa sobre acessibilidade audiovisual na Universidade de Brasília: uma história recente. In G. Pereira & T. Veríssimo (Orgs.), Historiografia da Tradução: Tempo e Espaço Social (pp. 167-200). Pontes.

Balsebre, A. (2005). A linguagem radiofônica. In E. Meditsch (Org.), Teorias do Rádio – texto e contextos (Vol. 1). Insular.

Barbosa Filho, A. (2003). Gêneros radiofônicos. Paulinas.

BBC. (2019, 16 de junio ). Cegueira afeta 39 milhões de pessoas no mundo; conheça suas principais causas. Disponible en: https://www.bbc.com/portuguese/geral-48634186.

Carrière, J. (2006). A linguagem secreta do cinema. Nova Fronteira.

Comparato, D. (2009). Da criação ao roteiro. Teoria e Prática. Summus.

Costa, A. (2019). Comunicação acessível: planejamento áudio/visual para visitantes com diversidade sensorial no contexto da exposição artística Entreartes [Trabalho de conclusão de curso]. Universidade de Brasília.

Díaz Cintas, J. (2007). Por una preparación de calidad en accesibilidad audiovisual. Trans. Revista de traductología, 11, 45-59.

Ferraretto, L. (2014). Rádio – Teoria e Prática. Summus.

Field, S. (2001). Manual do Roteiro. Os fundamentos do texto cinematográfico. Objetiva.

Greco, G. (2018). The nature of accessibility studies. Journal of Audiovisual Translation, 1(1), 205-232.

Kaplún, M. (2017). Produção de Programas de Rádio, do roteiro à direção. Insular.

Lopez, D. C., & Freire, M. (2020). Inovação e narrativa multimídia em podcasts: um estudo de caso de Strange Bird. Temática, XVI(6). http://periodicos.ufpb.br/index.php/tematica/index

Melo, J. (2005). Prefácio. In A. Barbosa Filho, C. Castro & T. Tome (Org.), Mídias Digitais: Convergência tecnológica e inclusão social. Paulinas.

Meireles, N. (2018). Profissão, currículo e Projeto Pedagógico de Curso: perfil do bacharelado em Radialismo no Brasil [Tese de doutoramento não publicada]. Universidade Federal da Paraíba.

Naves, S., Mauch, C., Alves, S. & Araújo, V. (2016). Guia para produções Audiovisuais Acessíveis. MinC – Secretaria do Audiovisual.

Pinheiro, E. (2019). Radiodifusão sonora pública do Brasil: o processo de conformação do serviço e os desafios de sua integração no ambiente digital [Tese de doutoramento não publicada]. Universidade de Brasília.

Santiago Vigata, H. (2016). A experiência artística das pessoas com deficiência visual em museus, teatros e cinemas: uma análise pragmaticista [Tese de doutoramento não publicada]. Universidade de Brasília.

UNESCO. (1983). Um mundo e muitas vozes: Comunicação e informação na nossa época. FGV.

Downloads

Publicado

2021-12-15

Como Citar

Pinheiro, E. B. (2021). Podcast y el territorio de la accesibilidad cultural: reflexiones desde el escenario brasileño. Comunicação Pública, 16(31). https://doi.org/10.34629/cpublica.53

Edição

Secção

DOSSIÊ TEMÁTICO: Os novos territórios do podcast