Para uma nova cinefilia: o filme-museu como cartografia do real

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34629/rcdmt.vol.1.n.1.pp121-143

Palavras-chave:

Filmes-museu, Temporalidade, Espacialidade, Cartografia do real, Conhecimento pela montagem, No Quarto da Vanda

Resumo

Neste texto, abordar-se-ão dimensões de produção do que denominámos filmes-museu, justificando a necessidade da sua existência para proveito e fruição de um novo tipo de espectador. Numa época de omnipresença telemática, a desconsideração da temporalidade e da espacialidade provocam uma reversão da interioridade, uma perda da experiência de aprofundamento dos filmes por parte dos seus fruidores. Os filmes-museu geram efeitos de monumentalidade, conseguem transformar um intervalo de tempo num acontecimento, convocam o espectador, capacitando-o como co-produtor de sentido, tornando-o activo. É assim que um cinema de cartografia do real possibilita a desmontagem e remontagem por parte do espectador, a caminho de uma nova cinefilia. Como ilustração deste fenómeno mais amplo, convocar-se-á o filme No Quarto da Vanda, de Pedro Costa.

Biografia Autor

Pedro Florêncio, NOVA Faculdade de Ciências Sociais e Humanas

Licenciado pela ESTC (Escola Superior de Teatro e Cinema), tem um mestrado em Cinema pela FCSH/UNL e é doutorado em Artes pela Universidade de Lisboa. Publicou, em 2020, o livro “Esculpindo o Espaço - O cinema de Frederick Wiseman”, baseado na sua dissertação de doutoramento.  

Lecciona "História do Cinema" e "Cinema Português" na Licenciatura e Mestrado de Ciências da Comunicação na FCSH (Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa), “Portuguese and Brazilian Cinema” ao abrigo do programa de cursos internacionais CIEE (Course Study Abroad), "Documentário" na ETIC (Escola de Tecnologias Inovação e Criação) e “Representação Espacial”, “Narrativa Visual” ou “Story Board” na EPJP (Escola Profissional Jean Piaget). É coordenador do Plano Nacional de Cinema no IDS (Instituto para o Desenvolvimento Social).  

Realizou, em 2011, a curta-metragem “Banana Motherf*cker”, que recebeu diversos prémios internacionais. Em 2014, realizou "Onde o meu amigo pintou um quadro", exibido em vários festivais nacionais e internacionais desde então. Em 2017, realizou a média-metragem “À Tarde”, que recebeu o Prémio Especial do Júri na Competição Nacional do DocLisboa 2017. "Turno do Dia" é a sua primeira longa-metragem, que estreou mundialmente no DocLisboa 2018 e comercialmente em 2019. 

Referências

Amiel, Vincent. 2007. Estética da Montagem. Lisboa: Edições Texto & Grafia.

Augé, Marc. 2005. Não-Lugares: Introdução a uma Antropologia da Sobremodernidade. Lisboa: 90 Graus.

Bataille, Georges. 2015. O Nascimento da Arte. Lisboa: Sistema Solar.

Baudrillard, Jean. 1991. Simulacros e Simulação. Lisboa: Relógio d’Água.

Bazin, André. 1992. O Que É o Cinema. Lisboa: Livros Horizonte.

Benvenuto, Sergio. 2020. “Benvenuto in Clausura”. In Antinomie: Scritture e Imaginni, 05-03-2020. Acedido Mar. 2, 2022. https://antinomie.it/index.php/2020/03/05/benvenuto-in-clausura/.

Blanchot, Maurice. 1987. O Espaço Literário. Rio de Janeiro: Editora Rocco.

Bresson, Robert. 2000. Notas Sobre o Cinematógrafo. Porto: Porto Editora.

Crary, Jonathan. 2013. 24/7: Late Capitalism and the Ends of Sleep. London: Verso.

Didi-Huberman, Georges. 2017. Diante do Tempo: História da Arte e Anacronismo das Imagens. Lisboa: Orfeu Negro.

Florêncio, Pedro. 2019. Esculpindo o Espaço. O Cinema de Frederick Wiseman. V. N. Famalicão: Edições Húmus.

Grilo, João Mário. 2006. O Homem Imaginado. Lisboa: Livros Horizonte.

Grilo, João Mário. 2007. As Lições do Cinema: Manual de Filmologia. Lisboa: Edições Colibri.

Guerreiro, António. 2018. O Demónio das Imagens: Sobre Aby Warburg. S.l.: Língua Morta.

Guimarães, Regina, e Saguenail, orgs. 2007. Ler Cinema: o Nosso Caso. Lisboa: Câmara Municipal de Lisboa. Direcção Municipal de Cultura. Videoteca Municipal.

Jorge, Nuno Barradas. 2020. Re-Focus: The Films of Pedro Costa – Producing and Consuming Contemporary Art Cinema. UK: Edinburgh University Press.

Kracauer, Siegfried. 2012. “A experiência e a sua matéria”. In Naturalismos. De Lucrécio a Lobo Antunes, org. de Kelly Benoudis Basílio e Felipe Cammaert, 455-475. V. N. Famalicão: Edições Húmus.

Lévinas, Emmanuel. 2015. Deus, a Morte e o Tempo. Lisboa: Edições 70.

Lipovetsky, Gilles, e Jean Serroy. 2010. O Ecrã Global. Lisboa: Edições 70.

Mitchener, Jacob. 2020. “Video Games vs Everything: Netflix, Instagram, and Youtube – Anything that Demands your Attention – Are Competitors Too”. Superjump, 03-12-2020. Acedido em Mar. 2, 2022. https://superjumpmagazine.com/video-games-arent-only-competing-against-other-video-games-dd1053eec2e4.

Munt, Alex. 2018. “Alexander Sokurov’s Francofonia: Museum Studies”. Senses of cinema, Issue 86 Cinema and the Museum. Acedido em Mar. 2, 2022. https://www.sensesofcinema.com/2018/cinema-and-the-museum/alexander-sokurov-francofonia/#fn-34146-14.

Natálio, Carlos; João Araújo; Luís Mendonça; Ricardo Vieira Lisboa. 2020. “Let’s Get Physical: Contra o Fim dos Suportes Físicos, a Favor da Liberdade do Espectador”. À Pala de Walsh, 19-11-2020. Disponível em: https://www.apaladewalsh.com/2020/11/lets-get-physical-contra-o-fim-dos-suportes-fisicos-a-favor-da-liberdade-do-espectador/.

Rancière, Jacques. 2012. Os Intervalos do Cinema. Lisboa: Orfeu Negro.

Sontag, Susan. 1996. “The Decay of Cinema”. The New York Times Magazin, 25-02-1996. Acedido Mar. 2, 2022. https://www.nytimes.com/1996/02/25/magazine/the-decay-of-cinema.html.

Virilio, Paul. 1993. A Inércia Polar. Lisboa: Dom Quixote.

Downloads

Publicado

2022-07-25

Como Citar

Florêncio, P. (2022). Para uma nova cinefilia: o filme-museu como cartografia do real. RHINOCERVS: Cinema, Dança, Música, Teatro, 1(1), 121–143. https://doi.org/10.34629/rcdmt.vol.1.n.1.pp121-143

Edição

Secção

Artigos